horto
 
 
 

Produtos Fitossanitários

 

(Pesticidas)

 

 

Baseado num curto esclarecimento que de seguida se apresenta, o Ruralidades elaborou um trabalho sobre produtos fitossanitários ou fitofarmacêuticos (vulgarmente conhecidos por pesticidas) utilizados para erradicação de pragas, ervas daninhas e doenças das nossas hortas e jardins, cuja utilização pode tornar-se perigosa. Dentro destes químicos, existem várias variedades: herbicidas (ervas), insecticidas (insectos), fungicidas (fungos), acaricidas (ácaros e aranhas), moluscicidas (caracóis e lesmas), nematodicidas (nemátodos), rodenticidas (ratos e outros roedores), bactericidas (bactérias). Há ainda que distinguir os que são:

Botânicos – à base de nicotina, piretrina, sabadina e rotenona;

Inorgânicos - à base de arsénico, tálio, bário, nitrogénio, fósforo, cádmio, ferro, selênio, chumbo, cobre, mercúrio e zinco;

E ainda os:

Sistémicos – absorvidos por folhas e raízes. Neste caso, toda a planta absorve o produto, tornando-se a sua seiva tóxica para algumas pragas e doenças

De contacto – actuam pelo simples contacto do químico com a praga que se pretende eliminar

Recomendamos que tenha especial atenção na escolha de um produto fitossanitário, zelando para que a sua utilização represente o menor mal possível ao ambiente e à sua saúde. Atenção às doses recomendadas e à data de validade de cada produto! E não olvide o adequado equipamento de protecção aquando da sua aplicação, bem como as recomendações de um Engenheiro Agrónomo.

O ideal será restringir a utilização destes produtos de acordo com o Regulamento (CE) n.º 889/2008 da Comissão de 5 de Setembro de 2008 (Anexo II) publicado no Jornal Oficial da União Europeia (pág. 36) que estabelece normas relativas à produção biológica e que de seguida se transcrevem:

1. Substâncias de origem vegetal ou animal

1. Substâncias de origem vegetal ou animal

Autorização

Designação

Descrição, Requisitos de Composição e Condições de Utilização

A

A Azadiractina extraída da Azadirachta indica (Neem)

Insecticida

A

Cera de abelhas

Protecção de feridas resultantes de podas enxertias

A

Gelatina

Insecticida

A

Proteínas hidrolisadas

Atractivo; apenas em aplicações autorizadas em combinação com outros produtos adequados da presente lista

A

Lecitina

Fungicida

A

Óleos vegetais (por exemplo, óleo de hortelã-pimenta, óleo de pinheiro, óleo de alcaravia)

Insecticida, acaricida, fungicida e inibidor do abrolhamento

A

Piretrinas extraídas de Chrysanthemum cinerariaefolium

Insecticida

A

Quássia extraída de Quassia amara

Insecticida, repulsivo

A

Rotenona extraída de Derris spp., Lonchocarpus spp. e Terphrosia spp

Insecticida

2. Microrganismos utilizados na luta biológica contra as pragas e doenças

2. Microrganismos utilizados na luta biológica contra as pragas e doenças

Autorização

Designação

Descrição, Requisitos de Composição e Condições de Utilização

A

Microrganismos (bactérias, vírus e fungos)

 

3. Substâncias produzidas por microrganismos

3. Substâncias produzidas por microrganismos

Autorização

Designação

Descrição, Requisitos de Composição e Condições de Utilização

A

Spinosade

Insecticida

Apenas se forem tomadas medidas para minimizar o risco para os parasitóides principais e minimizar o risco de desenvolvimento de resistência

4. Substâncias que só podem ser utilizadas em armadilhas e/ou distribuidores

4. Substâncias que só podem ser utilizadas em armadilhas e/ou distribuidores

Autorização

Designação

Descrição, Requisitos de Composição e Condições de Utilização

A

Fosfato diamónico

Atractivo, apenas em armadilhas

A

Feromonas

Atractivo; desregulador do comportamento sexual; apenas em armadilhas e distribuidores

A

Piretróides

(apenas a deltametrina e a lambda-cialotrina)

Insecticida

Apenas em armadilhas com atractivos específicos; apenas contra Batrocera oleae e Ceratitis capitata Wied.

5. Preparações para dispersão à superfície entre as plantas cultivadas

5. Preparações para dispersão à superfície entre as plantas cultivadas

Autorização

Designação

Descrição, Requisitos de Composição e Condições de Utilização

A

Fosfato férrico [ortofosfato de ferro (III)]

Moluscicida

6. Outras substâncias tradicionalmente utilizadas na agricultura biológica

6. Outras substâncias tradicionalmente utilizadas na agricultura biológica

Autorização

Designação

Descrição, Requisitos de Composição e Condições de Utilização

A

Cobre sob a forma de hidróxido de cobre, oxicloreto de cobre, sulfato (tribásico) de cobre, óxido cuproso, octanoato de cobre

Fungicida

Até 6 kg de cobre/hectare/ano

Para as culturas perenes, os Estados-Membros podem, em derrogação do parágrafo anterior, prever que o limite de 6 kg relativo ao cobre possa ser excedido num determinado ano desde que a quantidade média efectivamente utilizada durante um período de 5 anos constituído por esse mesmo ano e os quatro anos precedentes não exceda 6 kg

A

Etileno

Maturação de bananas, quivis e dióspiros; maturação de citrinos apenas como parte de uma estratégia para a prevenção dos danos causados pela mosca da fruta em citrinos; indução floral no ananás; inibição do abrolhamento em batatas e cebolas

A

Sais potássicos de ácidos gordos (sabão mole)

Insecticida

A

Alúmen de potássio (sulfato de alumínio) (calinite)

Inibição do amadurecimento das bananas

A

Calda sulfo-cálcica (polissulfureto de cálcio)

Fungicida, insecticida, acaricida

A

Óleo de parafina

Insecticida, acaricida

A

Óleos minerais

Insecticida, fungicida;

Apenas em árvores de fruto, vinha, oliveiras e culturas tropicais (por exemplo, bananas)

A

Permanganato de potássio

Fungicida, bactericida; apenas em árvores de fruto, oliveiras e vinha

A

Areia quartzítica

Repulsivo

A

Enxofre

Fungicida, acaricida, repulsivo

7. Outras substâncias

7. Outras substâncias

Autorização

Designação

Descrição, Requisitos de Composição e Condições de Utilização

A

Hidróxido de cálcio

Fungicida

Apenas em árvores de fruto, incluindo viveiros, para lutar contra a Nectria galligena

A

Bicarbonato de potássio

Fungicida

 

 

Com base neste curto esclarecimento e depois de apresentados os produtos para a agricultura biológica apresentam-se de seguida os insecticidas químicos homologados para a agricultura e jardinagem, bem como os acaricidas e os fungicidas. Esta informação foi retirada do livro "O Livro da Jardinagem" das Selecções Reader's Digest, páginas 612 e 613.

 



INSECTICIDAS HOMOLOGADOS

Substância activa

Intervalo de Segurança

Toxicidade

Actuação

Tipo

Bacillis thuringiensis

Sem intervalo

Sem toxicidade

Ingestão por lagartas (borboletas, lepidópteros)

Espécie microbiológica

Buprofezina

3 dias para hortícolas e

8 para citrinos

Sem toxicidade

Actua sobre o crescimento dos insectos

Aplicação foliar nas culturas de algodão, begónia, citrinos, feijão, gerbera, melão, pepino, soja e tomate.

Butocarboxime

8 dias para citrinos

Tóxico.

Nocivo para abelhas e peixes

Por contacto e ingestão

 

Ciromazina

7 dias; para cenouras

14 dias e para cebolas 21 dias

Sem toxicidade

Por contacto.

Regula o crescimento dos insectos e das suas larvas

 

Clormefos

Não aplicar após sementeiras ou plantações

Nocivo para peixes.

Impeça o acesso de animais durante 7 semanas

Por contacto e ingestão

 

Diflubenzurão

2 semanas para couves, macieiras e pereiras;

4 semanas para nogueiras

Sem toxicidade

Por contacto e ingestão.

Regula o crescimento das lagartas

Benzoilureia

Esfenvalerato

Entre 1 a 8 semanas consoante as culturas

Tóxico.

Nocivo para peixes.

Não aplicar em terrenos agrícolas perto de cursos  de água

Por contacto e ingestão

Piretróide

Fosalona

3 semanas

Tóxico.

Perigosa para peixes. Impeça o acesso de animais durante 4 semanas

Por contacto e ingestão

 

Lambda-cialotrina

Entre 2 dias a 3 semanas conforme as culturas

Tóxico.

Perigosa para peixes.

Não aplicar em terrenos agrícolas próximos de cursos de água

Por contacto e ingestão

Piretróide

Malatião

Entre 1 dia a 1 semana conforme as culturas

Tóxico.

Perigoso para abelhas e peixes.

Não aplique na floração

Por contacto, ingestão

e fumigação

 

Óleo de verão

Sem intervalo

Sem toxicidade

Por contacto

Hidrocarbonetos

Piretrinas

Sem intervalo

Perigosa para as abelhas e peixes.

Não aplique na floração

Por contacto, ingestão e fumigação

Pirectrina

Pirimicarbe

Entre 3 dias a 2 semanas consoante as culturas

Tóxico.

Perigoso para peixes.

Impeça o acesso de  animais durante 1 semana.

Não aplicar em terrenos agrícolas próximos de cursos de água

Por contacto, ingestão

e fumigação

Carbamato

Quinalfos

Entre 3 dias a 6 semanas consoante as culturas

Tóxico.

Perigoso para abelhas.

Impeça o acesso de animais durante 1 semana

Por contacto e ingestão

 

Rotenona

Sem intervalo

Sem toxicidade

Por contacto e ingestão

 

Teflubenzurão

2 semanas

Sem toxicidade

Por contacto.

Regula o crescimento das lagartas

 





ACARICIDAS

Substância activa

Intervalo de Segurança

Toxicidade

Actuação

Tipo

Clofentezina

9 semanas em macieiras e pereiras

Tóxico.

Não prejudica peixes, abelhas

Por contacto sobre ácaros e suas larvas

Tetrazina

Dicofol

Entre 4 dias a 2 semanas

Tóxico.

Não prejudica peixes, abelhas

Por contacto

 

Hexitiazox

9 semanas em macieiras e pereiras

Sem toxicidade.

Perigoso para peixes

Por contacto.

Também actua sobre as larvas

Tiazolidinona

Óleo de verão

9 semanas em macieiras e pereiras

Tóxico.

Não prejudica peixes, abelhas

Actua sobre os ovos dos aranhiços

 





FUNGICIDAS

Substância activa

Intervalo de Segurança

Toxicidade

Actuação

Tipo

Bitertanol

Entre 4 dias a 3 semanas

Sem toxicidade

Sistémico.

Preventivo e curativo

 

Captana

Entre 1 a 6 semanas consoante as culturas

Irritativo.

Perigoso para peixes

Preventivo

 

Carbendazime

Entre 1 a 3 semanas

Sem toxicidade.

Perigoso para peixes

Sistémico.

Preventivo e curativo

 

Enxofre pó e pó molhável

Sem intervalo

Sem toxicidade

Preventivo e curativo

Inorgânico.

Actua principalmente sobre ácaros eriofideos em tomateiros e videiras

Fenarimol

Entre 3 dias a 3 semanas consoante as culturas

Tóxico.

Perigoso para peixes

Sistémico.

Preventivo e curativo

 

Folpete

Entre 1 a 6 semanas consoante as culturas

Irritativo.

Perigoso para peixes

Preventivo

 

Fosetil

Entre 1 a 7 semanas

Irritativo

Sistémico.

Preventivo e curativo

 

Hidróxido de cobre

1 semana

Tóxico.

Perigoso para peixes.

Impeça o acesso de animais durante 3 semanas

Preventivo

 

Iprodiona

Entre 3 dias a 3 semanas consoante as culturas

Irritativo.

Perigoso para peixes

Preventivo e curativo

 







Legislação

Regulamento (CE) 2092/1991

Regulamento (CE) 834/2007

DL n.º 94/98, de 15/04

Reg. 889/2008, de 5/09 – anexo II

Regulamento (CE) n.º 1107/2009, de 21/10

?>